Rosangela_Aliberti

"Se a Arte tocar em algum ponto do homem é sinal que alcançou seu objetivo" (r_a)

Textos


TABUADA

"Se há algo de errado
nos versos
foi por não terem deixado
rastros de amor e de paz...
 
Se há algo errado
é porque não engoliram
parte da dor... na guerra
coisa que apenas tu serás
capaz de se livrar
com uma (Tabua)da"

(vamos lá, vem comigo!
amigo, quem entra na chuva
tem que aprender a dançar
e se molhar):

Quero semear pitadas
de bom senso e humor
subestimando qualquer
convite e culto ao silicone
encarando o dia a dia
cara à cara
do lado coroa,
reverter a medalha canalha
paralisá-la a cada segundo,
como dois e dois são quatro.

Quero desnudar
o avesso do avesso,
passar a ferro, a navalha
levar às brasas as frações
dos 'eus' endiabrados,
tendo nas palmas das mãos
o mal encarado bem de perto
não sabotando as defesas
do universo humano
relativamente perfeito, paralelo
como quatro vezes dois são oito.

Quero sorrir
para as meias-porções
de alma penada,
entendiá-las
revestí-las com roupagem de águia
sobreviver as duras penas
as alegrias flutuar no mundo
como se estivesse
deslizando sobre sedas e flores,
no dorso dos dragões,
como dez vezes um, são dez.

Quero retirar a máscara
de lagarta aceitar
a metamorfose, saborear
cada degrau alcançado
admirar a luta
do entreabrir das asas
no entrecruzamento dos vôos
de dotes multicoloridos
conter o entrechoque
como três vezes três são nove.

Hoje nas costas pesa
o ´enta´, passei pelos ´inta´
respeitando antes dos dezoito 
bem mais de vinte mil inimigos...
neste instante
daqui há dez anos estarei
mais velha? Meu coração é
bem melhor do que era antes...
a Poesia em mim é mágica! 

mágica! é a Poesia em mim
Legião,

os filhos da Fênix não tem idade...
nem pavor... medo... horror...
diante da realidade
não abrem as asas demais
para a palavra saudade.


Quero exigir menos
adicionar sorrisos
aos possíveis erros
como os anjos
levitando diante
dos próprios tombos
enxugar as lágrimas
num vôo automático
num piscar de olhos...
sincrônico.

Quero esbanjar vida
à Tabuada... aceitando
o pai, a mãe,
as crianças,
todos bruxos e as fadas
Concordando com
a tal história
que dos dois ao dez,
somente se aprende,
quando se repete...

E quem quiser...
experimente matar a cobra
com qualquer pau
tire a prova
noves fora
é O nada
Vamos todos juntos
re-pintar o sete!


Stuttgart, Ago02
reeditado em 03 e 08 
art by William Bourguereau

Rosangela Aliberti
Enviado por Rosangela Aliberti em 06/12/2004
Alterado em 27/11/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras